Nossa primeira empreitada teve como inspiração aquele que acolheu a nós e as nossas angústias quando repensávamos nossas carreiras: o botequim.

O mais comum dos bares, unidade original e essencial do bar brasileiro, o verdadeiro botequim é reduto de prazer – coisa que sempre nos interessou. Assim, juntamos as duas pontas, brindamos ao Bar Léo, ao Elídio, ao Juriti, ao Jabuti, ao Amigo Leal e ao Ilhabela e demos vida ao Original. Assim, ele é a materialização do nosso sonho boêmio de recriar o bar de volta às origens: um chopp perfeito, um petisco saboroso, um garçom carinhoso, um ambiente pra chamar de seu.

Simples assim, desde 1996, o Original lançou tendência, virou referência e foi a matriz genuína da nossa trajetória.

Para saber mais sobre o Original, clique aqui.

Original Original

Felizes com todo o agito do Original, abraçamos nossa freguesia como faziam os comerciantes do passado. Um sem número de clientes, encantados com o o que saía das nossas chopeiras, afirmavam que o nosso Original era um bar carioca… Mas como, se nós mesmos não conhecíamos essa instituição do Rio?

Curiosos e famintos por velhas receitas, fomos à Guanabara fazer turismo botequineiro. Do Lamas ao Jobi, do Capela ao Braca, do Bar Brasil ao Salete, esquadrinhamos os botecos históricos do mais lindo dos balneários – e nos rendemos ao seu valor. Na bagagem de volta, pastilhas coloridas, pedras portuguesas, ladrilhos azuis e brancos, balcões de mármore, garçons de borboleta, giz na tabuleta, empadas, filés, caldinho de feijão, pimentas e um chopp pequeno apelidado premonitoriamente de garotinho… E assim, sem querer, os cariocas nos deram o Pirajá.

São Paulo ganhou uma esquina carioca em uma de suas calçadas, com novos temperos, luzinhas e tempo bom, assumindo de vez o que sempre soubemos: todos nós, brasileiros, somos um pouco cariocas. Graças a Deus.

Para saber mais sobre o Pirajá, clique aqui.

Pirajá Pirajá

Toda essa viagem ao passado, em busca dos botequins, aguçou nossas memórias mais afetivas. E dentre as mais antigas e queridas encontramos discos de massa com bordas grossas, recheios fartos, o brilho do fogo vindo de lindos fornos à lenha, paredes azulejadas, prateleiras repletas de lataria, garçons que nos chamavam pelo nome e grandes mesas com as famílias reunidas. O cheiro inconfundível dessa lembrança era das pizzarias da nossa infância, mais simples, mais verdadeiras e, por isso, mais gostosas.

Puxamos esse gosto de domingo da memória para criarmos uma pizzaria tradicional, inspirada nos primeiros imigrantes italianos que chegaram ao bairro do Brás e criaram a pizza paulistana. Nossa querida Bráz abriu suas portas em Moema, em 1998, com receitas clássicas elaboradas com ingredientes excepcionais.

Alguns anos mais tarde, a descoberta de um casarão na Vila Mariana, com um quintal que tinha uma feliz cara de antigamente, nos trouxe uma nova inspiração: levar nossa pizza de um jeito diferente para aquele pátio ao ar livre, com goiabeiras, mangueiras e ipês; em jogar pratos, copos e talheres com despojo no centro de uma enorme mesa e reunir as pessoas que mais gostamos para falar da vida. Um lugar com ar de “lá em casa”, logo ali depois da esquina, entre o jornaleiro e a farmácia. A melhor pizza do bairro, esse é o nosso Quintal.

Para saber mais sobre a Bráz, clique aqui.
Para saber mais sobre o Quintal do Bráz, clique aqui.

Bráz Bráz

Absorvidos pelo universo dos bares, vivendo de Original, Pirajá e Bráz, continuamos nossa estrada. Em uma tarde no Pandoro, entre cajus-amigos e pastéis de massa grossa, nos demos conta que os grandes bares boêmios dos anos dourados, da paulicéia que começava a se desvairar e do Rio capital, também estavam se extinguindo.

Da vontade de revê-los, com aquele “quê” dos european bars e das brasseries art deco, nasceu o Astor, um bar clássico, completo, espelhado por uma simplicidade boêmia que reflete sofisticação. Desde 2001 é um reduto de renovação da boemia, um espaço com sotaque paulistano, brasileiro e, ao mesmo tempo, cosmopolita e internacional; onde misturamos chopp com cognac, caipirinhas com Martínis, picadinho com cassoulet, Bossa Nova com Miles Davis, Bar Lagoa com Baiúca.

Para saber mais sobre o Astor, clique aqui.

Astor Astor

Durante as obras de construção do Astor, descobrimos ali um porão abandonado que, mesmo entre escombros, sugeria transgressão, álcool e brindes. Abrimos o Astor e deixamos aquele porão guardado, apenas esperando descobrirmos sua real vocação. Até que, em 2009, viajando pelos bares de Manhattan, conhecemos a história e os mistérios dos speakeasys da era da Lei Seca: bitters, químicos, Martínis, gin, pouca luz, muito som. E quando dois olhos piscaram, visualizamos nosso bar, bem ali, embaixo do Astor. Criamos, então, a contra-senha: SubAstor, nosso bar de cocktails & rock, nosso speakeasy liberal, sem nenhuma prohibition.

Para saber mais sobre o Sub, clique aqui.

Sub Astor Sub Astor

Quem nasceu em São Paulo sabe que a Rua Augusta é um lugar especial com significado e espaço na memória de cada um. Mais do que um endereço comercial, foi sempre referência de estilo e época, ponto de encontro e marco de vanguardas.

Foi lá que compramos nossos primeiros LP’s, nossas primeiras calças Lee, onde tentamos as primeiras paqueras e experimentamos nossos primeiros burgers, dogs e refrigerantes de máquina, além dos definitivos Beiruths.

E assim, da nossa saudade pelos balcões de fórmica, das colunas arredondadas, das sancas e marquises, da Augusta de tempos atrás – e do nosso carinho pelo antigo Frevo – nasceu, em 2003, a nossa Lanchonete da Cidade – “velhinha” em folha, com seus novos sanduíches no melhor estilo de antigamente.

Para saber mais sobre a Lanchonete da Cidade, clique aqui.

Lanchonete da Cidade Lanchonete da Cidade

A Cia Tradicional foi construída a partir de encontros e amizades. A criação do ICI Brasserie é um emblema desta nossa feliz trajetória em parceria com Benny Novak e Renato Ades, queridos amigos que curtimos e admiramos desde sempre. Tudo começou em um inesquecível almoço boêmio, numa ensolarada sexta-feira, quando divagávamos sobre a origem das brasseries francesas. Lá pelas tantas, alguém lembrou que elas eram os restaurantes das cervejarias da Alsácia, um reduto de comida simples e deliciosa regado a boa cerveja. O próximo brinde foi dedicado ao início do projeto que faríamos juntos: uma brasserie que unisse o talento gastronômico de Benny e Renato com a informalidade dos bares da Cia Tradicional.

Assim é o ICI Brasserie. Um restaurante casual com sotaque francês, com comida saborosa cheia de charme e bières escolhidas a dedo. Mais um reduto para celebrarmos encontros e amizade.

Para saber mais sobre o Ici Brasserie, clique aqui.

ICI Brasserie ICI Brasserie

Muito contentes por termos construído com nossos amigos Benny Novak e Renato Ades uma casa que adoramos, o ICI Brasserie, resolvemos mudar de assunto e ampliar a parceria.
Pensamos por analogia: se na primeira criação desse grupo juntamos um pouco do ICI Bistro, clássico do Benny e do Renato, ao alegre espírito boêmio do nosso Astor, porque não misturar outras jóias da coroa? Que tal unir forças da nossa Bráz e suas pizzas campeãs ao talento comprovado do Benny e do Renato também com a cozinha italiana, testado e aprovado por toda a cidade no fantástico Tappo?
Essa idéia nos pareceu irresistível e assim nos lançamos mais juntos do que nunca na criação da querida Bráz Trattoria.
Pra nós, o resultado tem a cara e o sabor de uma completa viagem pelos clássicos da cozinha mais simples e deliciosos da Itália, renovados com o nosso jeito. Num espetacular espaço de 400m2 e ar industrial, de concreto, blocos aparentes e pé direito de 12 metros, azulejamos paredes e balcões, assentamos piso rústico com ladrilhos hidráulicos e recheamos a área com prateleiras e estoque real de produtos. Mais importante, preenchemos a casa com os mais adorados e populares capítulos da cozinha “casalinga” italiana, dos antepastos às pizzas, dos pães às massas e carnes. Diversão garantida pra todo mundo, a toda hora.

Para saber mais sobre a Bráz Trattoria, clique aqui.

Bráz Trattoria Bráz Trattoria